O que cria ou quebra uma equipe de produtos? Princípios de design fortes são um. Um roadmap claro e equilibrado é outro. Mas um dos aspectos mais importantes, ainda que esquecidos, de todas as grandes equipes de produtos, são os relacionamentos entre os designers e engenheiros de sua equipe. Mas, você sabe porque é tão importante o time de design e engenharia trabalharem juntos?

No entanto, muitos designers compartimentam a construção de um produto em duas partes distintas – design e desenvolvimento. Essa distinção é uma das armadilhas mais perigosas que uma equipe de produto pode cair. Quando o design é visto como um satélite que orbita a engenharia, ele geralmente volta “volta em direção ao mundo”.

Designers praticam isoladamente

A formação em design é parcialmente responsável por isso. O que aconteceu quando você entregou seus projetos de design? Aposto que apenas uma pequena parte dos alunos já teve um professor que os levou ao departamento de Ciência da Computação, e os fez sentar ao lado de outro aluno e pedir que construissem o que acabou de entregar.

O mesmo vale para as agências, muitas das quais carecem de equipes de engenharia próprias. Para a maioria dos projetos, as especificações de design são colocadas em uma parede para uma equipe externa montar. Você terá sorte se os encontrar cara a cara. Ainda mais sorte se o produto acabar parecendo algo próximo ao que você projetou.

O problema nos dois cenários é o mesmo – eles separam o design da implementação. No design do produto, essas duas coisas estão intrinsecamente ligadas. Um mundo com termos como “congelamento do design” ou “entrega” simplesmente não é o suficiente.

Bonus: Na criação do roadmap essa parceria é ainda mais importante, porque o time deve criar o roadmap e não somente o gerente ou uma das partes.

Conheça as restrições o maisrapido possivel

Os produtos verdadeiramente incríveis costumam ser uma combinação de duas coisas: uma inovação técnica e um design nunca antes visto. Portanto, é essencial que os designers entendam as possibilidades e restrições da tecnologia com a qual trabalham, antes que possam se aprofundar no design.

Os produtos verdadeiramente incríveis costumam ser uma combinação de duas coisas: uma inovação técnica e um design nunca antes visto.

Exemplo: Digamos que você esteja criando um aplicativo iOS (Para o sistema operacional movel da APPLE). Aqui estão algumas perguntas técnicas que você pode escutar de um engenheiro que vai influenciar fortemente suas decisões de projeto:

  • Qual framework vamos utilizar para desenvolver o que você projetou? Se não conseguirmos encontrar um adequado, talvez você deva usar as animações padrão da visualização da interface do usuário.
  • Quanto tempo leva a API para buscar os dados para essa exibição de lista? Se for muito longo, você precisará pensar em algo além do que colocar um “spinner loader. (Coloquei um exemplo do que é um spinner loader para referencia).
  • A API leva um pouco de tempo para carregar os avatares de nossos usuários. O que exibimos nesse meio tempo?

Perguntas como as acima devem ser feitas e abordadas o mais cedo possível – conversando e sentando-se com seus engenheiros. Não se deixe levar pelo que não vai dar certo. As restrições que você descobre são muitas vezes vantagens disfarçadas.

Dica: Eu que tive minha formando académica em ciência da computação, mas hoje atuo como gerente de produto, sei como é difícil alinhar todas as equipes, ainda mais quando os engenheiros chegam até você com problemas muito específicos (me deem um crédito, eu não desenvolvo tem mais de 8 anos e estou um pouco enferrujado). Para isso, saiba aqui como falar a mesma lingua das desenvolvedores.

Design em conjunto

Um designer de produto deve ser responsável por compartilhar os designs cedo e frequentemente com os engenheiros. Isso não significa algo arrumado e polido, podendo ser o prototipo mais simples imaginado.

Para um projeto recente, todas as telas que fiz, foram prototipados no Framer e compartilhados com o time de engenharia o mais rápido possível. Isso nos permitiu discutir a viabilidade técnica, quais estruturas de terceiros usar, que tipos de animações eram possíveis. Essas foram perspectivas que os designers jamais poderiam ter pensado.

e compartilhados com o time de engenharia o mais rápido possível. Isso nos permitiu discutir a viabilidade técnica, quais estruturas de terceiros usar, que tipos de animações eram possíveis. Essas foram perspectivas que os designers jamais poderiam ter pensado.

Bonus: Conheça os 5 tipos de protótipos.

Nesse caso, a engenharia influenciou fortemente nossas decisões de projeto. Não são apenas os designers que têm capacidade para resolver problemas. Você provavelmente está trabalhando com engenheiros que passaram milhares de horas resolvendo seus próprios problemas complexos. Os grandes designers nem sempre podem ter o momento “eureka” sozinhos.

O que eles podem fazer é enquadrar o problema para sua equipe e criar um processo de design para extrair as melhores soluções dessa equipe. Se você está dividindo rocesso do seu produto entre design e engenharia, é mais provável que você se torne parcial em relação a opinião de seu time, excluindo perspectivas e comentários em potencial que podem levar a uma solução que talvez você não onsiderasse possível.

Construir e iterar juntos

Processo da Intercom de design e engenharia trabalhando juntos
Processo da Intercom de design e engenharia para construir produtos

O processo de criação de produtos que normalmente utilizo começa com discussões entre design e engenharia e uma documentação colaborativa – um resumo de uma página para o projeto

As decisões de alto nível do produto geralmente são definidas muito antes do início do desenvolvimento (ela inclusive pode começar no momento da priorização das features e problemas). No entanto, em termos de interação e design visual, os detalhes se revelam à medida que o produto está sendo construído. Em vez de entregar a sua equipe de engenharia designs com pixels perfeitos, aproveite a oportunidade para projetarem as telas lado a lado a medida que vão construindo.

Isso significa que você pode projetar com uma perspectiva mais clara e realista – com base em dados reais, restrições técnicas e uma sensação geral de como o produto se sente.

Portanto, se algo não parece certo ou o design não é dimensionado com dados reais, identifique se esse é um problema maior de design e que precisa repensado ou se pode ser aprimorado no código.

Nesse último caso, sente-se lado a lado com seu engenheiro, comunique-se frequentemente e pessoalmente ou corra o risco de os detalhes serem perdidos na tradução. Lembre-se que comunicar não é ser aquele diretor de arte que fica pairando a equipe, dizendo ao engenheiro para ajustar essa feature em 1 pixel ou altere a cor para # f5f5f5.

Fazer o design à medida que você cria, permite identificar oportunidades para fortalecer sua solução original. Designers não são infalíveis. Os detalhes geralmente são perdidos na primeira versão; portanto, aproveite a oportunidade para melhorar o fluxo, oferecendo formas alternativas de feedback.

Algumas das minhas animações ou interações favoritas vieram da conversa com engenheiros e da avaliação de uma tela juntos – perguntando a nós mesmos “não seria melhor se X fizesse Y”. Se essas melhorias não puderem ser feitas imediatamente, converse com sua equipe e avalie se elas podem acompanhar após o lançamento.

Conclusão: Transformando o design em realidade

Ser um ótimo designer exige que você seja empático, não apenas com usuários ou clientes, mas também com seus engenheiros. Trata-se de envolvê-los no processo de design e entender a tecnologia que permite seu design. Isso fará de você um designer mais forte e resultará em um produto melhor a longo prazo.

E lembre-se de que, para uma equipe de produtos moderna, o que importa é o que é lançado. Então, abrace aqueles que podem transformar suas idéias em realidade.


Durante todo o texto nós falamos da importância de ter o time de design e engenharia trabalhando em conjunto para alcançar os melhores resultados. Eu particularmente adoro o movimento emergente (bottom-up), onde os próprios integrantes reconhecem a importância de cada membro para a equipe.

Dito isso, enfatizo aqui que é papel do gerente do produto garantir que todos essas “peças móveis” se encaixem sem problemas e muitos atritos. O papel do gerente de produto em uma equipe multidisciplinar é justamente empoderar e tirar o melhor de cada pessoa.