Existem vários tipos de protótipos desde que desenvolvemos software. No entanto, muitas coisas mudaram. A principal é que as ferramentas e técnicas que temos para desenvolver protótipos e testá-los se desenvolveram dramaticamente. De todas as diferentes técnicas de MVP, os protótipos estão entre os meus favoritos. Nesse artigo, vamos passar pelos 5 tipos de protótipos mais utilizados. Você sabe quais são?


Apesar dos protótipos serem uma ferramenta tão versátil, continuo encontrando equipes e até pessoas que eu consideraria como líderes inteligentes, que têm uma interpretação muito restrita do significado do termo “protótipo”.

Quando pressiono as pessoas, o que normalmente acho é que elas associam o termo “protótipo” com o tipo ao qual foram expostos pela primeira vez. Se o primeiro que você viu foi usado para testar a viabilidade, é isso que você pensa. Se o primeiro que você viu foi usado para testes de usabilidade, é nisso que você pensa.

Mas, de fato, existem muitas formas muito diferentes de protótipos, cada uma com características diferentes e cada uma adequada para testar coisas diferentes. E sim, algumas pessoas enfrentam problemas tentando usar o tipo errado de protótipo para o que precisam testar.

Os 5 tipos de protótipos

Neste artigo, eu queria destacar os 5 principais tipos de protótipos e lembrar a todos para que servem cada um. Escrevi sobre cada um deles separadamente e com mais profundidade, mas acho que reuni-los pode ajudar as pessoas a entender melhor os pontos fortes e fracos de cada um, e espero ter em mente que não há apenas um tipo de protótipo.

1. Protótipos de viabilidade

Eles foram escritos por engenheiros para tratar dos riscos técnicos durante a descoberta do produto antes de decidirmos se algo é viável ou não. Às vezes, os engenheiros estão experimentando uma nova tecnologia. Às vezes, é um novo algoritmo. Ultimamente, trata-se de avaliar o desempenho (pense nas transições de aplicativos para dispositivos móveis ou Big Data).

A idéia é que o desenvolvedor escreva apenas o código suficiente para poder responder à pergunta de viabilidade. Pode ser descartável ou pode ser algo que você pode aproveitar se decidir continuar.

2. Protótipos de usuário de baixa fidelidade

A fidelidade tem a ver com o quão realista é a aparência do protótipo. Um protótipo de baixa ou mesmo média fidelidade não parece real – é essencialmente um wireframe interativo. “Protótipo do usuário” significa que é uma simulação e não algo real. Em outras palavras, você pode inserir as informações do seu cartão de crédito quantas vezes quiser, mas na verdade não compra nada.

O Balsamiq é praticamente a ferramenta de prototipagem de usuário de baixa fidelidade favorita de todos, pois eles tornaram tão rápido e fácil a criação dessa forma de protótipo. Os protótipos de usuário de baixa fidelidade geralmente são criados pelos designers de interação. Muitas equipes as utilizam como uma maneira de refletir sobre o produto entre si. Para determinadas situações, você também pode identificar problemas de usabilidade logo no início.

Protótipo Balsamiq de baixa fidelidade
Protótipo Balsamiq de baixa fidelidade

Por melhores que sejam, os protótipos de usuário de baixa fidelidade representam apenas uma dimensão do seu produto – as informações e o fluxo de trabalho – não há nada sobre o impacto do design visual ou as diferenças causadas pelos dados reais, apenas alguns exemplos importantes .

3. Protótipos de usuário de alta fidelidade

Um protótipo de usuário de alta fidelidade ainda é uma simulação, no entanto, agora parece muito real. De fato,em muitos protótipos de alta fidelidade, você precisa prestar muita atenção para ver que não é real. Os dados que você vê são muito realistas, mas não são reais, o que significa que não são ao vivo.

Por exemplo, se eu procuro um tipo específico de mountain bike, ela sempre volta com o mesmo conjunto de bicicletas de montanha, mas se eu prestar muita atenção, não são as bicicletas reais que eu pedi. Percebo que sempre que procuro sempre são as mesmas, independentemente do preço ou estilo que eu especificar. Agora, se você estiver tentando testar a relevância dos resultados da pesquisa, essa não seria a ferramenta certa para o trabalho, mas se você estiver tentando obter uma boa experiência geral de compra, provavelmente isso é bom, rápido e fácil de executar. .

Existem muitas ferramentas para criar protótipos de usuário de alta fidelidade – para todos os tipos de dispositivos, como por exemplo, o Sketch (meu preferido), Adobe XD e Figma. As ferramentas são geralmente projetadas para designers. Também é o caso de alguns designers preferirem codificar manualmente seus protótipos de usuário de alta fidelidade, o que é bom desde que sejam rápidos e estejam dispostos a considerar o protótipo como descartável.

Prototipo alta fidelidade sketch
Exemplo de prototipo de alta fidelidade

A grande desvantagem de um protótipo de usuário de alta fidelidade é que ele não é bom para provar nada – como se seu produto realmente venderá ou não. É bom para testar a usabilidade e é ótimo para comunicar o produto proposto às principais partes interessadas e para aprendizado rápido.

Onde muitas pessoas andam de lado é quando criam um belo protótipo de usuário e o colocam na frente de 10 ou 15 pessoas que dizem que o amam e depois declaram vitória. Infelizmente, não é assim que funciona. As pessoas dizem todo tipo de coisa e depois fazem algo diferente. Temos uma ferramenta muito melhor para provar se algo realmente funciona (descrito a seguir).

Mas meu uso favorito de um protótipo de alta fidelidade não é ver se os usuários gostam, mas sim, tentar descobrir por que eles não gostam. Quando você testa com um protótipo de usuário de alta fidelidade, não recebe a resposta de nenhum usuário, mas todos os usuários com quem testam são como outra peça de um quebra-cabeça e, eventualmente, você vê o suficiente do quebra-cabeça para ver onde você deu errado.

4. Protótipos de dados ao vivo

Os protótipos de dados ao vivo são um pouco mais difíceis de explicar, mas são absolutamente críticos e o custo de produzi-los está caindo rapidamente, por isso os amo mais o tempo todo. O principal objetivo de um protótipo de dados ao vivo é realmente provar algo – normalmente é para provar se uma ideia (um recurso, uma abordagem de design, um fluxo de trabalho) realmente funciona.

Para saber isso, normalmente precisamos fazer duas coisas.

  1. Primeiro, precisamos do protótipo para acessar nossas fontes de dados reais – como pesquisar nosso inventário ao vivo e mostrar produtos realmente disponíveis no momento.
  2. Segundo, precisamos ser capazes de enviar tráfego ao vivo, em quantidade, para o protótipo.

A chave é que, com certeza, não queremos criar, testar e implantar um produto real para fazer isso. Isso levaria muito tempo, custaria muito e produziria um enorme desperdício. E nós não. Um protótipo de dados em tempo real é uma implementação muito limitada – geralmente apenas os casos de uso críticos e nenhuma “produto” necessária normalmente, como casos de uso completos, automação de testes, trabalho de SEO, internacionalização e localização, desempenho e escalabilidade, etc.

O protótipo de dados ao vivo é uma fração do esforço, mas você obtém grande valor. Você precisa ter em mente duas grandes limitações:

  1. Este é um código, por isso exige que seus desenvolvedores criem o protótipo de dados em tempo real e não seus designers.
  2. Este não é um produto, e você não pode administrar um negócio. Portanto, se os testes forem bem-sucedidos, você ainda precisará permitir que seus engenheiros dediquem algum tempo para produzir o código.

Hoje, porém, a tecnologia para criar protótipos de dados ao vivo é tão boa que podemos obter o que precisamos em alguns dias ou em algumas semanas. E uma vez que tenhamos, podemos iterar muito rapidamente.

Normalmente, testaremos um protótipo de dados ao vivo em um teste A / B, mas também podemos fazer um teste de aceitação ou um teste apenas para convidados. A chave é que usuários reais usarão o protótipo de dados ao vivo de verdade, e isso gerará dados reais (análises) que podemos comparar com nosso produto atual para ver se essa nova abordagem realmente funciona melhor.

5. Híbridos

Existem também muitos híbridos que combinam aspectos de cada um deles. Por exemplo, especialmente ao trabalhar em pesquisas e recomendações, às vezes precisamos que o protótipo acesse fontes de dados ao vivo, mas não precisamos enviar tráfego ao vivo. Nesse caso, não estamos tentando provar nada, mas podemos aprender muito sobre coisas como relevância observando e discutindo os resultados com os usuários.

Lembre-se de que o principal princípio da descoberta de produtos é apresentar a maneira mais rápida e barata de testar suas idéias. Portanto, dependendo da sua ideia e situação, escolha o tipo do protótipo que melhor atenda às suas necessidades.

O principal princípio da descoberta de produtos é apresentar a maneira mais rápida e barata de testar suas idéias

Embora todos possamos ter nossos favoritos, se você estiver competindo contra boas equipes de produtos, precisará de habilidades para desenvolver e testar cada uma delas.

Conclusão: use e abuse dos protótipos

Protótipos do produto são uma ótima maneira de validar idéias e conceitos de forma simples e barata! Como eu gosto muito de desenhar e acho que é a maneira mais direta de explicar algum conceito essa é a principal ferramenta no meu arsenal.

Nesse artigo eu mostrei 5 tipos de protótipos mais comuns usados no mercado (espero que tenha conseguido exemplificar cada um deles). Use e abuse dessa ferramenta, inclusive na hora de priorizar alguma feature! Ao fazer uso desse recurso, você consegue aumentar a participaçåo de todos os integrantes da equipe, e como vantagem, já apresenta para os stakeholder a funcionalidade e valida alguns pontos de usabilidade.