Os gerentes de produto constuam se perguntar: “Como construímos um roadmap para ter a melhor chance de fazer algo que as pessoas querem?”. Para atingir nossos objetivos, antes precisamos esclarecer qual é o objetivo de priorizar o roadmap do produto. Para isso, temos 2 abordagens:

  1. Você prioriza as features e iniciativas que você, sua equipe ou os stakeholders pensam que seria uma boa idéia – e esperam que funcione. (Dica de leitura: as fontes de idéias mais comuns).
  2. Você começa descobrindo quais features têm o maior envolvimento e quais não são usados. Em seguida, você identifica quais etapas do seu fluxo de trabalho causam as maiores desistências – onde os usuários ficam presos. E, finalmente, procure entender as necessidades de seus usuários e suas fontes de hesitação.

Esta decisão não deve ser dificil: você tem uma chance muito maior de fazer as coisas que as pessoas desejam se entender o que o mercado precisa e se concentrar em arrumar as áreas em que seu produto apresenta os maiores problemas.

Observação: isso não significa fazer tudo que seu cliente quer, senão você vai acabar criando features para clientes específicos e isso nunca é uma boa idéia.

Mas muitas equipes de produtos ainda operam usando a primeira abordagem – elas tomam decisões com base em suas próprias opiniões, em vez de hipóteses educadas e informadas por dados (Dica: como tomar boas decisões). O co-fundador do ProductPlan, Jim Semick, conversa com muitos líderes de produtos em sua linha de trabalho. E em um de seus seminários on-line, ele menciona que mesmo grandes empresas lutam com:

Claramente, essas organizações estão fazendo algo bom, caso contrário não seriam bem sucedidas. Mas a oportunidade desperdiçada é enorme. As empresas que constroem produtos com base na opinião interna acabarão sendo derrotadas pela concorrência.

Então, como garantir que o novo roadmap de produto com prioridades inclua features e iniciativas que realmente irão ter um impacto positivo?

O que você precisa é de um processo para gerar idéias, priorizar quais focar e obter adesão das principais partes interessadas. Nas seções a seguir, detalharei uma estrutura passo a passo – originalmente criada pelo especialista em otimização de conversões Peep Laja – para ajudá-lo a fazer exatamente isso.

Etapas para priorizar seu roadmap

Etapa 1: coletar dados

Como falamos anteriormente, em vez de criar um roadmap de produto priorizado com base exclusivamente em nossa opinião, usaremos uma abordagem informada por dados. Então, como vamos coletar dados?

Existem 5 etapas, seguidas da criação de uma lista de todos os problemas que você encontrou, e que em seguida, transformaremos em features, correções e tarefas em potencial:

  1. Análise do produto – identifique etapas específicas no fluxo de uso do produto em que os usuários estão parando e saindo em vez de executar a ação que você deseja que eles executem. (Você pode metrificar esse analise criando funil no Mixpanel)
  2. Análise de rastreamento do mouse – permite gravar o que as pessoas fazem com o mouse e fornecer informações sobre onde os usuários estão prestando atenção no seu produto. (Dica: utilize ferramentas como o Hotjar para fazer esse trakeamento)
  3. Pesquisas na página – Se você deseja descobrir o que impede as pessoas de executar uma ação específica, coloque o Qualaroo (ou o proprio Hotjar) em sua página e pergunte a elas.
  4. Comentarios de suporte – Entre nas transcrições do suporte ao cliente para descobrir por que as pessoas estão entrando em contato e pedindo ajuda. Eles geralmente entram em contato com frustrações e confusão, e isso pode lhe dar informações sobre as coisas que você pode consertar.
  5. Teste do usuário – observe os usuários atuais e os usuários em potencial enquanto eles interagem com o seu produto enquanto falam em voz alta. A sessão do usuário também é ótima porque eles gravam anonimamente vídeos de seus usuários enquanto usam seu produto, permitindo que você veja tudo o que eles fazem.

Ao analisar os resultados de sua pesquisa, faça uma lista de todos os lugares em que os usuários ficam presos ou frustrados, onde as pessoas não estão fazendo o que você quer que eles façam e onde vê coisas que precisam ser melhoradas.

Etapa 2: identificar as iniciativas de maior valor

Ok, então você gerou todos esses dados quantitativos e qualitativos … e agora?

Bem, neste momento, você identificou uma grande lista de problemas do produto e idéias de features. O próximo passo é descobrir em quais iniciativas vale a pena trabalhar e eliminar as que não são.

Existem diversos frameworks para te ajudar a identificar as features / iniciativas com maior valor. O ideal é que você escolher o framework que melhor atenda sua equipe e o momento de sua empresa. Cada um tem sua características e deve ser usada com cautela.

Dentre os diversos frameworks, alguns que eu costumo usar nesse momento são:

  • Valor vs Complexidade: Valor vs complexidade é um framework de priorização que permite que uma equipe de produto avalie cada iniciativa de acordo com o valor que a iniciativa trará e com que dificuldade/ complexidade será implementada. As iniciativas são plotadas em uma matriz e priorizadas de acordo.
  • Modelo Kano: é uma abordagem para priorizar features em um roadmap de produtos com base no grau em que eles provavelmente satisfarão os clientes. As equipes de produto podem avaliar um recurso de alta satisfação em relação aos custos de implementação, para determinar se a inclusão ou não no roadmap é uma decisão estratégica
  • MoScoW: O método é comumente usado para ajudar os stakeholders a entender a importância das iniciativas em um release específico. O acrônimo MoSCoW representa 4 categorias diferentes de iniciativas: Obrigatorio ter (must-haves); Deveria ter (should-haves); Poderia ter (could-haves), Não terão no momento. (will not have at this time). Às vezes, o “W” no MoSCoW é usado para significar “desejo” em vez de “não terá agora”.

Como você pode notar, os frameworks acima tem como objetivo identificar quais features tem um maior valor para serem priorizadas. Esse valor pode ser baseado nas mínimas features que precisam existir (como no modelo Kano e no MoScoW), ou as features que geram maior para o cliente (como no valor vs complexidade).

Dica de leitura: conheça os frameworks de priorização.

Etapa 3: marque suas iniciativas

Agora que você eliminou todas as oportunidades em potencial que não fornecem valor estratégico, o próximo passo é pontuar suas iniciativas restantes. Para pontuar as iniciativas você também pode utilizar alguns frameworks que irão te fornecer um resultado quantitativo. Podendo citar:

  • RICE:  Ele é um acrônimo para os quatro fatores que usamos para avaliar cada ideia de projeto: alcance, impacto, confiança e esforço. Após a utilização do framework RICE, você vai ter uma lista de features organizadas baseada no valor resultante da equação.
  • Pontuação Ponderada:Esse framework utiliza pontuação numérica para classificar suas iniciativas estratégicas de acordo com um conjunto de critérios comuns com base no custo versus benefícios e, em seguida, classificadas por suas pontuações finais.

E é claro que esse modelo de pontuação não é o único fator necessário para decidir quais recursos priorizar – você também precisa levar em consideração sua concorrência, mercado e clientes. Mas essa análise pode ser crítica para obter a adesão das partes interessadas.

Etapa 4: obtenha a adesão dos stakeholders

Criar alinhamento com a estratégia do produto e obter adesão de executivos e gerentes pode ser complicado. Mas você pode torná-lo menos desafiador, abordando proativamente algumas de suas principais preocupações.

  1. Minha primeira recomendação é que você mostre a seus stakeholders o processo usado para criar o roadmap do produto priorizado. Demonstrar que você usou um processo estruturado de pensamento para avaliar as oportunidades – em vez de apenas seguir seu instinto ou sua opinião – é uma maneira eficaz de envolver as partes interessadas
  2. Segundo, traga evidências de clientes para a mesa. É aqui que os dados coletados na etapa 1 entram em jogo. Você reuniu evidências reais sobre seu produto, de clientes existentes e potenciais e esse tipo de dados é mais atraente para executivos e gerentes do que sua opinião. Portanto, tome sua decisão com dados concretos. Use as métricas coletadas na ferramenta de análise para mostrar o que os usuários estão fazendo. Em seguida, use vicdeos de usuários interagindo com seu produto e citações diretas de seus clientes para explicar o porquê.
  3. E, finalmente, sempre vincule suas prioridades aos objetivos estratégicos de negócios da empresa. Fazer isso imediatamente ajudará a responder à pergunta de todos: “Por que você está fazendo isso em vez de outra coisa?”

Em vez de apenas falar sobre o que uma nova feature fará, diga-lhes como isso afetará os resultados e move a agulha nos KPIs com os quais os stakeholders mais se importam. (Aprenda como e quando apresentar o roadmap do produto para os stakeholders )

Por exemplo, os dados mostram que estamos indo muito bem quando se trata de aquisição de usuários, mas lutamos para que esses usuários voltem a longo prazo. Então, estamos implementando essa iniciativa para melhorar nossa taxa de retenção.

Sempre vincule as prioridades do roadmap aos objetivos estratégicos de negocio da empresa

Dica: Um roadmap equilibrado: combinar prioridades de curto prazo, com objetivos de longo prazo

Conclusão

“Se você estiver usando um modelo de pontuação ou algum outro tipo de modelo para avaliar e priorizar oportunidades, a técnica que você está usando é, em última análise, menos importante do que a conversa que você está tendo com seus stakeholders”.

Independentemente das ferramentas e técnicas que você usa, é importante que você seja transparente com seus stakeholders e dê a eles algumas dicas sobre o processo usado para priorizar o roadmap do seu produto.

Ao abordar suas preocupações e objeções de maneira proativa, você reduz a probabilidade de receber uma resposta negativa. E a melhor maneira de fazer isso é mostrar a eles que você usou um process,, baseou suas decisões em dados concretos (não na sua opinião) e que suas prioridades estão alinhadas com os objetivos estratégicos da organização.

O que você acha? Que processo você usa para garantir que priorize as iniciativas corretas e construa o que as pessoas desejam? Compartilhe seus pensamentos sobre como priorizar o roadmap nos comentários abaixo!