Uma das minhas citações favoritas em nossa indústria vem por meio do lendário VC, John Doerr, onde ele argumenta que “precisamos de equipes de missionários, não de mercenários”. Esse ponto captura muito e vai direto ao ponto. coração da característica mais importante de líderes fortes, organizações fortes e equipes fortes de produtos. Mas e você, prefere: mercenários ou missionários?

Precisamos de equipes de missionários, não de mercenários

John Doerr

Diferença entre missionários e mercenários

  • As equipes de missionários são engajadas, motivadas, têm um profundo entendimento do contexto comercial e uma empatia tangível pelo cliente.
  • As equipes de mercenários não sentem um real senso de empoderamento ou responsabilidade, nenhuma paixão pelo problema a ser resolvido e pouca conexão real com os usuários e clientes reais.

Dica: Empoderar o time é uma das tarefas mais importante do gerente de produto. Saiba como fazer isso aqui.

Na minha experiência com equipes de produtos, simplesmente não há comparação entre o moral/engajamento, a velocidade e, o mais importante, os resultados de uma equipe de missionários em comparação com uma equipe de mercenários.

Então, por que mais empresas não conseguem isso? Normalmente, existem três razões principais que eu vejo:

  1. Liderança. Muitos executivos e stakeholders pensam que sabem as respostas e por isso, nem querem discutir ou debater. Eles só querem uma equipe que siga suas instruções. Esses mesmos líderes geralmente reclamam que a equipe trabalha muito devagar e que a menos que expliquem todos os detalhes, a equipe comete muitos erros. E para mim o pior: eles nunca admintem seus erros. (Claramente essa liderança não sabe seu papel em um time empoderado e multidisciplinar).
  2. Equipe. Alguns líderes entendem a importância de uma equipe de missionários, mas herdaram uma empresa composta por pessoas do modelo mercenário. Uma variação disso ocorre quando a empresa terceiriza significativa designers ou engenheiros nas equipes.

    É quase impossível ter uma equipe de missionários quando seus engenheiros trabalham para outra empresa e estão sob contrato para construir o que você pede. Essa é praticamente a definição de mercenário. E isso leva a um grande desperdício.
  3. Processo. Vários processos de desenvolvimento de produtos, especialmente aqueles que pretendem ser projetados para “a empresa”, são baseados no modelo mercenário. Agora, nenhum deles jamais se descreveria dessa maneira, mas é exatamente isso que eu argumento. Por exemplo, algumas pessoas me perguntaram sobre o SAFe (Scaled Agile Framework). Eu sempre digo a eles que o que eu sei sobre o SAFe é tudo de segunda mão, porque eu literalmente não conheço uma única empresa (que tenha um produto forte) que o use.

    Mas de tudo o que ouvi e li sobre isso, tenho dificuldade em imaginar um modelo pior para empresas de produtos e que tenham base em tecnologia, que dependem de um fluxo de inovação consistente. Por outro lado, o modelo Spotify de escalonamento Agil está muito mais alinhado com o que eu defendo, e eu argumentaria que o deles é baseado no modelo missionário. Mais sobre este tópico nos próximos artigos.

Os três problemas acima não são mutuamente exclusivos. Inclusive, com o tempo, um costuma levar aos outros. Com isso, quando o objetivo é transformar uma empresa para seguir as melhores práticas, essas estão entre as partes mais críticas e mais difíceis dessa transição.

Então, como você muda?

Começa com essas mesmas três áreas:

  1. Primeiro, precisamos educar a equipe de liderança.
  2. Segundo, precisamos elevar o nivel tecnico da equipe – começando pelos gerentes de produto, mas também pelos designers de produto e pelo menos pelos principais engenheiros / líderes de tecnologia. Se a empresa ainda não está configurada dessa maneira, é essencial mudar agressivamente para equipes de produtos duráveis, multifuncionais e colocadas juntas (sempre que possível). Ou seja, Squads.
  3. Por fim, trata-se de adotar os processos e técnicas que permitam às equipes mostrar o que podem fazer. Começa com uma visão atraente do produto, combinada com resultados de negócios (objetivos com resultados-chave mensuráveis) para a organização e para cada equipe de produtos.

Se sua organização está agindo muito mais como equipes de mercenários do que como missionários, espero que considere seriamente a situação e se for o caso, mudar urgente essa situação.

Importante: Saiba se você tem um time de feature ou um time de produto empoderada. Saber essa distinção é crucial para obter sucesso no seu time e com seu produto.

Dica final: Conheça 3 estruturas de um time de produto. Aqui eu mostro 3 maneiras de estruturas seu time com o gerente de produto agindo de diferentes maneiras.

Bonus

Para escutar os mestres falarem a respeito, vou adicionar 2 videos para ajuda-los.

O Kleiner Perkins Fellows Program tem como objetivo conectar os mais estudantes de engenharia, design e empreendedorismo do Vale do Silício para uma imersão durante o verão norte americano. Eles alinham o trabalho com palestrar com alguns dos lideres mais inovadores e influentes da industria.

Fundador e CEO da Amazon, Jeff Bezos, fala sobre os 2 tipos de profissionais que ele encontra durante um bae papeo no evento de Samuel J. Heyman Service to America Medals 2018.