Você provavelmente já ouviu o velho ditado: “sucesso não é um destino, mas uma jornada”. Claramente, o autors da frase não era gerente de produto. As equipes de produtos não são avaliadas por pegarem a “estrada sinuosa” e “aplaudidas pelos muitos passos dados” – mas sim, pelos resultados.

No entanto, muitas vezes somos tão consumidos com o processo, a rotina e o ciclo interminável de construção que podemos esquecer que nada disso importa se o resultado final não atingir nossos objetivos. É por isso que times de produto com visão de futuro pensam de “tras para frente.” Quer aprender a fazer isso?

É por isso que os melhores planos começam com o resultado final. Os gurus da produtividade FranklinCovey até registraram isso como um de seus sete hábitos: comece com o fim em mente e tenha um produto com visão de futuro.

Comece com o fim em mente e tenha um produto com visão de futuro

FranklinCovey

Muitas empresas inovadoras adotaram essa mentalidade de trabalhar de “tras para frente” para impedir que as pessoas se distraíssem durante o processo de desenvolvimento e manterem o foco no objetivo final.

Por exemplo, a Amazon inicia todos os projetos com o gerente de produto criando um comunicado de imprensa que articula o problema atual. Eles exploram por que outras soluções não estão resolvendo o problema do usuario e como estão resolvendo problemas para o cliente “com seu produto ainda não construído” (Sim, no comunicado de imprensa, eles falam como se ele já estivesse concluido e disponivel a todos).

Durante todo o processo de desenvolvimento de produtos, qualquer pessoa pode se referir a esse documento como um guia, garantindo que tudo o que eles fazem esteja tornando esse comunicado de imprensa uma realidade.

Mas o que é trabalhar de “tras para frente”?

Como criar um produto com visão de futuro

Trabalhar de “tras para frente” (inversamente) tem tudo a ver com começar com o resultado final desejado e depois descobrir como chegar lá. Embora todos já devam fazer isso, há muitas vezes em que não é esse o caso.

A chave para trabalhar de “trás para frente” é fixar onde você deseja terminar, ou seja, Isso significa mergulhar nos detalhes de qual deve ser o resultado final desejado (mais vendas, clientes mais felizes, fluxos de trabalho mais fáceis etc.), o produto deve ser capaz de atingir esses objetivos e qual seria o sucesso.

Olhando para a linha de produtos elegante e popular da Apple, é óbvio que eles estavam ouvindo quando Steve Jobs disse: “você precisa começar com a experiência do cliente e trabalhar de volta para a tecnologia”.

Com a visão de futuro do produto acordada, a equipe pode dividir todas as etapas necessárias para alcançar esse destino final. Isso difere de adotar uma abordagem mais exploratória e iterativa: “vamos ver aonde isso nos leva”, ou simplesmente construir coisas para a construção.

“Você precisa começar com a experiência do cliente e trabalhar de volta para a tecnologia”.

Steve Jobs, Apple, Inc

Os melhores times de produto trabalham dessa forma

Trabalhar “de tras para frente” cria um processo de desenvolvimento de produto com visão de futuro mais eficiente e focado. Com um objetivo claramente articulado em mente, as equipes não se distraem ou constroem as coisas erradas à medida que avançam. Em vez disso, eles sabem exatamente do que o produto final deve ser capaz e, portanto, são muito mais propensos a acertar na primeira vez.

Essa abordagem também evita que a equipe se perca no meio do caminho e se preocupe com a implementação, e não com os resultados. Como ouvimos muitas vezes de nossos colegas de engenharia: “Não me diga como construí-lo, apenas me diga o que construir”.

Quando você está trabalhando “de tras para frente”, o “QUE” já está muito bem definido e ninguém terá dúvidas sobre se o produto final atende às expectativas. Isso não apenas fornece diretrizes claras para o seu desenvolvimento; como também fornece ao controle de qualidade itens precisos a serem procurados durante os testes e fornece uma vantagem para vendas e marketing, pois eles sabem o que estão recebendo.

A priorização também se beneficia dessa abordagem; se um item em particular não aproxima o produto da linha de chegada desejada, então esse item é deixado em segundo plano para outro momento. Isso aprimora a satisfação de todos os clientes e a entrega de valor de acordo.

Dica: Saiba como escolher o melhor framework de priorização de feature para seu time nesse post

Como fazer seu time trabalhar de “trás para frente”

Trabalhar “de tras para frente” pode ser um estado de espírito, mas reunir o resto da equipe pode exigir algo um pouco mais tangível para se entender. Aqui estão três métodos para pressionar “retroceder” em vez de “avançar rapidamente”.

1. Começando com um comunicado de imprensa

Tornada famosa pela Amazon, a estratégia de “retrocesso” (famoso trabalhar de “tras para frente”) é a favorita entre muitas equipes de produtos e líderes de opinião. Um Press Release geralmente é o último passo no processo de desenvolvimento e lançamento do produto. Diz ao mundo: “Aqui estou, é isso que posso fazer, e é por isso que você deve se importar.”

Para ser eficaz, o autor deve se afastar da armadilha do technobabble (arte de falar muito tecnico e enrolas as pessoas) e se comunicar em termos que ressoam com o cliente-alvo.

“Um elemento importante do comunicado de imprensa é que ele está escrito de uma maneira fácil de entender ”, diz Nikki Gilliard, da Econsultancy. “Isso essencialmente permite que a Amazon abandone o jargão técnico e quaisquer outra descrição que apenas confundam o cliente, a fim de entregar um produto de excelencia.

O ponto de partida para a definição do produto é um documento centrado no cliente, sem se preocupar com detalhes de implementação, tecnologia ou design da interface do usuário. Dessa forma, o foco muda para uma solução realmente excelente para o cliente.

Se o comunicado de imprensa é convincente, então você esta no caminho certo.

“A iteração em um comunicado de imprensa é muito mais rápido e barato do que a iteração no próprio produto”, diz Ian McAllister, da Amazon. “Se o comunicado de imprensa for difícil de escrever, o produto provavelmente será péssimo. Continue trabalhando até que o esboço de cada parágrafo flua. ”

Mas lutar para acertar o comunicado de imprensa faz parte do processo – se você pudesse divulgá-lo em uma tarde, não faria o dever de casa e o tornaria à prova “de balas” o suficiente para conduzir um ciclo de desenvolvimento de produto inteiro.

“Criei alguns deles (comunicados de imprensa) no passado e levei muito tempo; na verdade, várias semanas ou meses, já que o tempo necessário para se dedicar à pesquisa é alto, e tentar explicar sua ideia como se fosse para clientes reais exige muito esforço e dedicação ”, diz Andrea Marchiotto, da Unilever.

E como o comunicado à imprensa pretende declarar o sucesso da empresa com o produto – e não apenas sua disponibilidade -, também deve haver um caso comercial significativo, que coincide com a abordagem da Amazon na seleção de novos recursos. Por exemplo, 90% do roadmap do Amazon Web Services é orientado por amplas solicitações de clientes, indicando conhecimento prévio de uma demanda clara.

2. Conduzindo um pré-mortem

Uma post-mortem (ou uma revisão posterior de tudo que deu certo ou errado durante um projeto) é um método comum para que as organizações aprendam com erros e sucessos anteriores e tenham um desempenho ainda melhor na próxima vez. É um caso de grupo em que representantes de toda a empresa conversam sobre o que funcionou bem e o que se perdeu.

Um pré-mortem basicamente coloca o mesmo grupo de partes interessadas em uma máquina do tempo e pede que imaginem tudo o que poderia acontecer antes que uma única linha de código fosse escrita ou que o design fosse copiado. O objetivo é antecipar e combater a situação, identificando todos os cenários possíveis, para que a equipe já tenha antecipado possíveis obstáculos e minas terrestres.

Essas sessões começam com o brainstorming de todos desastres possíveis que podem ocorrer no seu produto, desde a rejeição total do mercado até o comprometimento dos dados do usuário, o desempenho lento e a incapacidade de escalar. É uma chance de mostrar todos os medos e dúvidas na mente das pessoas e determinar quais são mais prováveis ​​de ocorrer.

“Depois de estabelecer coletivamente seus maiores riscos, você pode começar a pensar em maneiras de mitigá-los. Realisticamente, talvez você não consiga impedir que todos os riscos aconteçam ”, diz Marc Abraham, da Settled. “Nesses cenários, você ainda pode descobrir como reduzir o impacto de um risco e criar um” plano B “”.

Se a estratégia de mitigação não for óbvia, uma subequipe poderá ser atribuída a cada item pendente. Em seguida, a equipe pode descobrir como lidar com isso, se surgir (ou impedir totalmente que isso ocorra). E com todos os possíveis finais desastrosos em vista, a equipe de produto pode trabalhar “de tras para frente”, minimizando ou evitando o máximo possível.

Acredite ou não, isso pode até servir como um exercício de entrosamento para a equipe, forçado a identificar e lidar com possíveis situações desagradáveis ​​e explorar suas habilidades de resolução de problemas.

3. Comece com a página do produto

Semelhante à tática de press release, esse método também exige que a equipe do produto identifique sua saída ideal e trabalhe de “trás para frente”.

A Product Hunt é uma das principais vitrines de novos produtos e uma plataforma semi-meritória para criar buzz e tráfego desde os primeiros usuários (OBS: É um site americano de vitrine de empresas). Uma página Product Hunt inclui:

  • um slogan de no máximo 60 caracteres;
  • uma imagem em miniatura;
  • uma galeria;
  • uma descrição de duas frases;
  • três ou quatro tópicos nos quais o seu produto se encaixa e, finalmente;
  • um “comentário da empresa” (Vindo de você), que de acordo com o blog da Product Hunt:

“Apresente-se brevemente, a equipe e o problema que você está resolvendo. Em um total de 3 a 4 frases, explique qual é o valor proposto, qual é o caso de uso, para quem serve e por que você o está construindo. Se é a segunda vez que você lança o PH (ou seja, uma grande atualização de produto ou um enorme anúncio de recurso), explique o que mudou.

Dica: torne o mais fácil possível para as pessoas se importarem com o que você esta escrevendo.

No total, você tem cerca de sete ou oito frases e alguns recursos visuais para comunicar o que seu produto faz, quem gostaria de usá-lo, por que eles deveriam usá-lo e o que torna seu produto e sua equipe tão especiais. Destilar sua grande visão de produto até esse pequeno pedaço de texto não é apenas um ótimo exercício de edição e concisão, mas também força a equipe a realmente se prender ao que é mais importante.

Com sua página falsa de busca de produtos já criada, esse artefato pode ser usado para obter consenso na organização e servir de inspiração contínua durante o desenvolvimento do produto. Sua concisão e foco na experiência do cliente e na proposta de valor é um ótimo ponto para se trabalhar de trás para frente.

Conclusão – A visão de futuro guia o presente do produto

Independentemente de como você traz uma mentalidade de trabalho reversa/ “de tras para frente” a seu time de produtos, para criar um produto com visão de futuro, o ingrediente que reúne tudo é entender verdadeiramente o que os clientes precisam antes de começar a trabalhar em tudo. Se você não tiver feito sua lição de casa nesse departamento, seu produto final perfeito poderá perder a marca, levando a um post-mortem que não favorece a equipe do produto.

Espero que tenha ajudada a te mostrar uma nova maneira de visualizar o planejamento de seu produto. Com intuito de complementar seus estudos, eu recomendo um artigo que escrevi, com 16 mapas mentais para o gerenciamento de produto com ele, você vai encontrar alguns modelos de como você pode começar com um objetivo final e fazer engenharia reversa para descobrir as features necessarias para chegar lá.