Com responsabilidades amplas, às vezes ambíguas, e altas expectativas, a função de gerente de produto está em constante evolução. Os gerentes de produto estão aprendendo coisas novas continuamente e precisam melhorar a si mesmos (não apenas os produtos que gerenciam) diariamente. Nesse artigo você vai encontrar 7 aprendizados de gerentes de produto onde avaliam as lições de gerenciamento de produtos que gostariam de ter aprendido mais cedo em suas carreiras.

7 aprendizados de gerentes de produto

Lição 1: Considere o quadro geral

Ao analisar dados, Chris Vasquez, diretor de produto da AWeber, recomenda equilibrar os dados quantitativos e qualitativos para obter uma perspectiva holística.

“No começo, eu frequentemente me sentia cativado por um único ponto de dados encontrado ou em um comentario que ouvi de um cliente”, disse Vasquez. “Algo que só precisava ser a chave por causa do quão óbvio era nesses dados limitados”.

A fixação apenas de informações qualitativas ou quantitativas pode levar à priorização desinformada e comprometer o sucesso de um produto. Em vez disso, considere o quadro geral.

“Descobri que o uso de uma variedade de sinais qualitativos para entender o ‘o quê’ e uma variedade de informações qualitativas para tentar entender o ‘por que’ leva a uma hipótese muito melhor”, disse Vasquez. “Em última análise, isso resulta em melhores produtos para nossos clientes de email marketing”.

Lição 2: reduzir o escopo

Manter o produto no caminho certo pode ser difícil, ainda mais quando as solicitações continuam se acumulando. Você promete um recurso extra à sua equipe de CS. Você adiciona um novo compromisso ao roadmap. De repente, sua equipe está se esforçando para cumprir a data de lançamento original.

David Roch, chefe de produto da Marketgoo, caiu na armadilha de trabalhar em muitos recursos sob a pressão de prazos. Para combater isso, ele sugere reduzir o escopo ao longo do processo de desenvolvimento do produto e evitar features sorrateiras

“Em nossa experiência, não negociamos escopo por várias razões”, compartilhou Roch. “Ao fazer isso, acabamos entregando algo que não é tão bom e demorou muito tempo para ser feito, frustrando toda a equipe”.

Em vez de negociar qualidade ou sacrificar tempo, o foco no escopo permite que você se atenha às suas prioridades estratégicas. Mesmo se você entregar um produto que não atenda ao escopo inicial, ele poderá ser aprimorado durante cada sprint.

“É inteiramente possível agregar valor às partes interessadas e manter-se na linha com resultados e prazos – sem demandas surpresas, ampliando seus recursos ou comprometendo demais sua equipe”, afirmou Roch.

Lição 3: Aprenda a desapegar

As pessoas que trabalham com produto geralmente se destacam quando o gerente as empodera a tomarem decisões independentes e resolver problemas complexos. A falta de autonomia atrofiará o crescimento da sua equipe e causará um impacto no desempenho individual. Milena Toporek, chefe de produto da Savings United, recomenda aprender quando desapegar (e confiar) no início de sua carreira.

“Delegar à responsabilidade é difícil”, disse Toporek. “Mas quando o produto cresce e a empresa cresce, é necessário formar uma equipe forte em torno de você e do produto para atingir as metas e apoiar o crescimento”.

Delegar a responsabilidade é difícil

Milena Toporek

Desenvolver uma equipe qualificada, na qual cada membro possui sua área especializada, é uma das melhores coisas que podem acontecer a um gerente de produtos, sugere Toporek. Quando sua equipe pode se ajustar e reagir com eficiência aos desafios, a adoção de métodos ágeis se torna uma segunda natureza. Mas isso não significa que você deve negligenciar sua equipe.

“Você não precisa fazer tudo, mas tudo é de sua responsabilidade”, disse Ori Bendet, diretor de gerenciamento de produtos da TimeToKnow.

Você não precisa fazer tudo. Mas tudo é sua responsabilidade

Ori Bendet

Lição 4: Gerentes de produto são gerentes de pessoas

Os gerentes de produto são líderes de equipe naturais, mas é preciso trabalho para alcançar o alinhamento organizacional. Você precisa estabelecer confiança com outros departamentos, ganhar respeito das partes interessadas e criar credibilidade dentro da sua organização. Jonathan Reilly, gerente técnico de produtos da OneMain Financial, aconselha a construção de sua inteligência emocional.

Um produto nunca pode ser ótimo se o gerente de produto não tiver um entendimento fundamental de como a equipe opera, diz Reilly.

“Saber o que faz com que seus colegas de trabalho funcionem, como eles respondem às críticas, seu comportamento sob pressão e até mesmo o que eles desejam – faz toda a diferença na liderança de várias equipes”, disse Reilly.

O alinhamento multifuncional é essencial para criar idéias inovadoras e criar produtos de sucesso. Segundo Reilly, isso requer não apenas ver as coisas através dos olhos do seu cliente, mas também todas as partes interessadas, equipe de design, equipe jurídica e desenvolvedores.

Lição 5: Impulsione o entendimento compartilhado

A equipe do produto desenvolve uma estratégia que reflete os objetivos gerais da organização. Mas a equipe não pode executar efetivamente essa estratégia enquanto opera em um silo. Candis Grover, especialista em produtos da Ready Rosie, sugere estabelecer um canal de comunicação saudável com outros departamentos.

No início de sua carreira, Grover trabalhou em uma pequena equipe de conteúdo que priorizava pesquisa, feedback do usuário e comunicação aberta. Mas quando sua equipe trabalhou de forma multifuncional, eles ficaram aquém.

“Infelizmente, quando se tratou de transformar essa filosofia em desenvolvimento de produto, houve uma desconexão”, disse Grover. “Estávamos tentando ditar o como, e quem estava criando o produto ficava pensando no porquê.”

Investir em um processo organizacional mais coeso permitiu que todas as equipes executassem seus objetivos com mais eficiência, de acordo com Grover.

“Fui desafiado a desfocar as linhas da divisão de conteúdo / tecnologia e atrair outras pessoas das equipes voltadas para o cliente”, disse Grover. “Conseguimos promover um entendimento compartilhado do porquê e um debate mais saudável e produtivo sobre o como”.

Lição 6: Conheça seus limites

Não prometa demais, apenas para entregar de menos. É importante, especialmente ao lidar com partes interessadas e executivos, definir expectativas realistas dos resultados. Phil Petree, CEO da TapToReport, adverte contra ser pego nessa armadilha.

“Em uma demonstração de resultados, o CEO de uma empresa de capital aberto disse aos analistas do setor que ele combinaria seus produtos em um, e que ele os abriria no mercado da Fortune 100”, disse Petree. “Fui contratado como gerente sênior de produtos para criar esse conjunto”.

Ao iniciar o projeto, ele percebeu que eles não poderiam cumprir sua promessa inicial. O acordo valia quase 50% menos do que eles haviam projetado.

“Não preciso dizer que acabei com um alvo nas costas. Lição: nunca aceite um emprego em que você seja contratado para fazer o impossível ”, disse Petree.

Nunca aceite um emprego em que você seja contratado para fazer o impossível

Phil Petree

Lição 7: Comece com o fim em mente

Ao comunicar sua estratégia, priorizar o valor sobre os recursos individuais, você estará mais alinhado com os objetivos de negócios. Alison Andrews, gerente de produtos da AHRI, enfatiza a importância de conectar suas decisões ao valor estratégico do produto.

“Antes do gerenciamento de produtos, eu era dono do produto (PO), onde era constantemente bombardeado por indivíduos irritadiços que exigiam mudanças ou novos recursos”, disse Andrews. “Para agradá-los e reduzir meus próprios níveis de estresse, eu era míope e muito reativa às emoções, em vez de considerar a estratégia e o valor do produto”.

De acordo com Andrews, essa mentalidade transformou a equipe do produto em uma fábrica de recursos. Sua incapacidade de demonstrar o valor de cada recurso serviu como um gargalo para receber suporte da gerência executiva. Eventualmente, ela ajustou sua abordagem.

“Eu envolvo meus usuários em conversas com perguntas específicas que me ajudam a definir qual pode ser esse valor real”, disse Andrews. “Encontrei casos em que achava conhecer o valor antecipadamente, mas, uma vez engajando os usuários na conversa, aprendi algo totalmente diferente ou vi outra oportunidade que poderia ser explorada”.

Procurar entender o ponto problemático que um recurso resolve para informar a tomada de decisões revelou sua lição favorita de gerenciamento de produtos. “O gerenciamento de produtos tem muito a ver com ouvir”, disse Andrews. “Talvez ainda mais, do que gerenciar.”

Conclusão

Quer você esteja entrando em campo ou seja um especialista do setor, sempre haverá desafios. Não há produto perfeito nem carreira de produto perfeita. Mas, para se estabelecer como um ótimo gerente de produtos, você deve enfrentar cada obstáculo como uma oportunidade de aprender, se adaptar e crescer.

Aproveitando o espaço, durante muito tempo em minha carreira eu trabalhei com gerente de projeto e acredito que muito do meu conhecimento (e disciplinas da area) podem ser aproveitadas. Segue um artigo com 7 principios em gerenciamento de projetos para gerentes de produto.

Quais aprendizados de gerenciamento de produtos que você deseja aprender agora? Compartilhe nos comentários abaixo.